Números da violência assombram: são quase 200 mortes por dia no Brasil
10/08/2018 - 8h46 em Notícias

Números da violência assombram: são quase 200 mortes por dia no Brasil

A violência no Brasil produziu mais um número assombroso: quase 200 mortes por dia no país. Nunca tantos brasileiros perderam a vida de forma violenta como em 2017.

A violência está tão presente na vida do brasileiro, que muita gente já se acostumou com ela.

“Eu saio de casa preparada para ser roubada. Já me roubaram o celular duas vezes, já me levaram a bolsa”, conta a cozinheira Aparecida dos Remédios.

Rostos conhecidos e anônimos, pessoas de várias profissões, de todas as classes sociais, mulheres, homens, jovens, crianças e idosos. Eles são o retrato do número mais chocante revelado nesta quinta-feira (9) pelo Anuário Brasileiro de Segurança Pública.

Em 2017, os assassinatos bateram o recorde histórico; foram quase 64 mil, média de 175 por dia, sete por hora. Números que têm relação direta com a violência que atinge os estados das regiões Norte e Nordeste do país, provocada pela guerra entre facções criminosas.

O Rio Grande do Norte registrou a maior taxa de assassinatos do Brasil; o Acre e o Ceará aparecem logo atrás.

Os criminosos agem com crueldade. Em Rio Branco, policiais encontraram Vítor Vieira de Lima, de 18 anos, no fundo de um poço. As mãos estavam amarradas e o corpo tinha várias perfurações. Duas meninas que estavam junto com ele estão desaparecidas.

Os estados de São Paulo, Santa Catarina e o Distrito Federal têm as menores taxas de assassinatos do país. São números inferiores à média nacional. Mas os especialistas dizem que, mesmo nesses lugares, a situação é preocupante.

“Mesmo estados que estão numa situação um pouco mais confortável não têm nada a comemorar. A violência é grave em todas as unidades da federação, mesmo em São Paulo, que tem a menor taxa de violência letal, ainda é muito superior a países desenvolvidos e democráticos europeus, por exemplo, ou da América do Norte”, explicou Samira Bueno, diretora executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

O estado de Nova York é um exemplo. Lá, a taxa de assassinatos é de 3,2 por cem mil habitantes.

O levantamento destaca ainda o tamanho da população carcerária brasileira, a terceira do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos e da China: 729 mil pessoas estão na cadeia.

E os pesquisadores concluíram que a violência contra a mulher aumentou. Foram mais de mil feminicídios em 2017.

Albane Barbosa Nunes de Jesus é uma das vítimas mais recentes. Ela apareceu morta com várias perfurações. A polícia acredita que a arma do crime tenha sido uma tesoura e procura o namorado de Albane, que sumiu. Ele é o principal suspeito.

“Agora eu espero a justiça. Eu quero que a justiça seja feita. Infelizmente aconteceu com a minha filha, mas que seja de exemplo para outras pessoas, que não aconteça a mesma coisa que aconteceu com ela”, disse a mão de Albane, Joana Barbosa dos Santos.

Outro dado alarmante divulgado pelo estudo é o número de estupros. Foram 60 mil em 2017.

 

Fonte: G1

COMENTÁRIOS