TJ nega pedido de soltura de Richa e esposa
13/09/2018 08:13 em Cotidiano

O desembargador Laertes Ferreira Gomes, do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR), negou, no início da noite desta quarta-feira (12), o pedido de habeas corpus feito pela defesa do ex-governador do Paraná e candidato ao Senado, Beto Richa, e da esposa dele, ex-secretária da Família e Desenvolvimento Social, Fernanda Richa. A defesa do casal agora pretende recorrer ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). O processo segue sob sigilo.

“Há estrita necessidade de manutenção da segregação temporária dos investigados, até mesmo diante da gravidade dos atos praticados, e da necessidade de se manter a credibilidade da justiça, que não pode tratar de modo simplório uma situação de extrema gravidade e ignorar um risco concreto de insucesso das investigações caso os investigados sejam beneficiados com a liberdade”, diz a decisão.

O pedido de soltura tinha sido feito na tarde desta terça-feira (11), data em que os dois foram presos. Beto e Fernanda tinham sido levados inicialmente para o Complexo Médico Penal (CMP), em Pinhais, onde ficam os presos da Operação Lava Jato. Mas, após uma decisão do mesmo desembargador, foram transferidos para o Regimento Polícia Montada, no bairro Tarumã, em Curitiba, onde permanecem desde a noite desta terça-feira. A prisão é temporária e tem validade de cinco dias, prorrogáveis por mais cinco.

INVESTIGAÇÃO

Beto Richa, sua esposa, Fernanda Richa, seu irmão, José Richa Filho, e outras 12 pessoas foram presos nesta terça-feira (11). As prisões foram efetuadas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Paraná (MP-PR). Richa foi levado para a sede do grupo ainda durante a manhã.

A prisão foi em decorrência da Operação Rádio Patrulha, que investiga o direcionamento de licitação, para beneficiar empresários, e o pagamento de propina a agentes públicos, além de lavagem de dinheiro, no programa do governo estadual do Paraná, Patrulha do Campo, no período de 2012 a 2014. No programa, o governo locava máquinas para manter as estradas rurais.

 

Fonte: Paraná Portal

COMENTÁRIOS